Pages - Menu

4 de mar de 2010

Música e Feminilidade no Vale do São Francisco

Leonardo Carva


Por Ilana Copque e Raoni Santos


Em Petrolina e Juazeiro, cada vez mais a música ganha graça e nuança feminina. Na região, é perceptível o aumento no número de mulheres que se envolvem com arte musical. Apesar de ainda serem poucos os espaços que valorizam de fato o talento dessas artistas, elas embalam e animam as noites no Vale do São Francisco, buscando nos bares uma forma de renda e reconhecimento.


Fabiana Santiago é uma cantora que começou o seu envolvimento com a música ainda criança. “Meu avô tocava violão, e minha e mãe e tia cantavam em serenatas”, diz. Hoje, Santiago faz carreira solo e trabalha como backing vocal na banda do sanfoneiro Targino Gondim. A grande mudança em sua vida ocorreu em 2007, quando participou do espetáculo musical, Entre Elas. Até então cantava em bares. Para a artista é grande a diferença entre os dois ambientes: “no barzinho as pessoas vão para comer, beber, e não estão nem ai para o que você canta. Nos shows e teatros, o público vai para te assistir, ver o que você tem para mostrar. Eles estão ali pela sua arte”. Fabiana já ganhou vários prêmios como intérprete, a exemplo do festival Edésio Santos da Canção, em Juazeiro, e o Festival Geraldo Azevedo, em Petrolina.


Sertaneja de Mirandiba (PE), Nadja Pires é uma artista com mais de 20 anos de bagagem, sendo uma das primeiras mulheres no Vale a tocar em barzinhos. O seu contato com a música começou com os violões que fazia com latas de óleo e de doce. Ao se mudar para Salgueiro (PE), na década de 80, passou a trabalhar profissionalmente na área musical, fazendo parte da banda Talismã, que tocava canções de diferentes estilos. Para a cantora, os três anos á frente da banda lhe proporcionaram um grande aprendizado. “Com o grupo aprendi a ter desenvoltura e trabalhar em conjunto”, lembra.


Experiente, Nadja, que toca em barzinhos em Petrolina e Juazeiro há quase 15 anos, lamenta que a classe artística, nas duas cidades, seja desunida. Quando tem shows sobrando, e não pode comparecer, recomenda alguns amigos disponíveis para ocuparem o seu lugar. “Os meus indicados são tão responsáveis quanto eu”, diz Pires.

A cantora e estudante de jornalismo, Joyce Guirra, natural de Caraíba Metais (BA), tem uma opinião parecida com a de Nadja, no que se refere à falta de união dos artistas. Para ela, quem trabalha no ramo, na região, faz por amor, pois nem de longe ganha bem. “Por aqui não há uma valorização artística, e isso decorre também da falta de união da classe”, complementa. Joyce, desde pequena teve certo envolvimento com a música, devido à influência do pai, Genivaldo Nunes, que toca violão. Quando se mudou para Juazeiro, passou a fazer apresentações em barzinhos, apesar do seu reconhecimento vir a partir do teatro. Hoje, aos 22 anos, canta por prazer durante os finais de semana. Não se considera uma profissional, apesar de ter uma renda a partir da atividade. Com um repertório recheado de muita MPB, sua preferência é por cantar em festas particulares.


Os donos de bares, segundo Nadja, já não se importam se quem está cantando é uma mulher ou homem, o que lhes chama a atenção é o talento, o desempenho da pessoa. Ainda são poucos os espaços em Petrolina e Juazeiro que oferecem um “som” de qualidade, pagando um preço justo pelo trabalho do artista. No entanto, para a felicidade de muitos deles, algumas instituições, como o SESC e o CEFET, oferecem cursos e oficinas que trabalham a especialização e aperfeiçoamento de técnicas; um avanço para quem é apaixonado ou apaixonada pela arte sonora.


Vale a pena conferir









2 comentários:

Silvio Crisóstomo disse...

Escrevi IMPRESSÃO com um S só!Mesmo sem querer ajudou!!! Tô te seguindo...

Josielson Lira Matos disse...

Eu conheci a Nadja Pires na década de 1990. À época, eu cantava na Orquestra Marajoara, de Sertânia. De lá para cá, muita coisa mudou. Deixei de cantar na noite e perdi o contato com ela. Já tentei encontra-la na Net, mas a mulher é difícil demais....
Se tiveres o contato dela, ficarei muito grato se me enviares. Tenho muitas saudades da nossas conversas e horas de boa música e violão.

Torino Paes
Sertânia/Recife
torinopaes@gmail.com