Pages - Menu

22 de jul de 2010

Do mesmo jeito


As coisas ainda estavam do mesmo jeito que se lembrava: o forro na televisão, o carpete no meio da sala, o sofá que serviu tantas vezes de cenário para suas fantasias a distância. Tudo e quase nada mudara. Se respirasse fundo era possível sentir o cheiro tão peculiar daquele ambiente que fora sua segunda casa. Por instantes, vislumbrou a segurança que a rodeara quando estava nos braços dele. Sentia falta de não sentir medo do amanhã. O aconchego da constancia lhe dava boas noites de sono, apesar de ser outro o sentido que procurava para sua vida. Olhando o passado ainda tão recente, chorou pelos planos desfeitos, pela falta que ele fazia. Chorou por não poder ter tudo, chorou porque simplesmente queria chorar.

Nenhum comentário: