Pages - Menu

7 de nov de 2009

Algo


A pele gritava, suplicante pedia o arranhão do afeto. As mãos deslizavam em uma dança erótica que deixava explicito todo o desejo implícito. A boca negava, mas os beijos surgiram sem aviso, e em rastros molhados descreveram o que não podia ser dito em palavras. Suor e tensão misturados entre lençóis, entre superfícies ásperas, entre o ser e o ser novamente, entre os sorrisos contidos e os olhares cínicos, que saciados gargalhavam. O céu do céu, além do céu. A terra dos sussurros, a voz anônima.